Viagem Literária

Apenas uma maneira de despejar em algum lugar todas aquelas palavras que teimam em continuar saindo de mim diariamente.

Name:
Location: Porto Alegre, RS, Brazil

Um gaúcho pacato, bem-humorado e que curte escrever algumas bobagens e algumas coisas sérias de vez em quando. Devorador voraz de livros e cinéfilo assumido. O resto não interessa, ao menos por enquanto.

Monday, May 19, 2008

Aparências

Na minha época de colégio, tive um colega que adorava puxar o saco dos professores. Era um cara que sempre tirava boas notas, mais por esforço e estudo do que propriamente por esperteza e brilhantismo. Em aula, esse meu colega tinha uma mania que me dava nos nervos: sempre que falava alguma coisa, relacionada ao assunto do dia ou não, olhava de soslaio para o professor, para ver se ele tinha prestado atenção. Parecia que o objetivo não era aprender, mas fazer o professor entender que ele queria aprender.

Faz anos que não vejo esse meu colega, mas ele vem à minha mente ocasionalmente quando penso ou leio algo sobre política. Para ele, o colégio era um jogo de aparências para com os professores – se tivessem uma boa imagem dele, estaria satisfeito. Acontece exatamente o mesmo com os políticos. Assim que são eleitos, não estão nem aí para o povo. Tudo o que fazem é única e simplesmente pensando em permanecer no poder.

Claro, não vou generalizar, mas sabemos todos que a grande maioria é assim. Não importa o partido, não importa a ideologia, não importa a formação. Assumiu um cargo de poder, a principal intenção é ficar por lá mais tempo possível. Por que tantos políticos trocam de partidos senão para estar ao lado daqueles que têm mais chances? Será que, de uma hora para outra, todas as crenças ideológicas transformaram-se? Tá bom. Somos o povo, talvez ingênuo, nunca burro.

Engana-se quem pensa que os projetos são feitos com o objetivo de ajudar e fazer a diferença. Claro que não. O deputado Fulano faz o projeto tal simplesmente para ser lembrado como o deputado responsável pela criação do projeto tal. Os resultados do projeto tal só interessam para que ele seja lembrado como o deputado que melhorou para melhor a vida de X pessoas. Não interessa os nomes delas. Não interessa as outras necessidades delas. Interessa o número.

É tudo um sórdido jogo de vaidade que chega a dar nojo. Agora me vêm novamente com a possibilidade da criação de uma nova CPMF, dizendo que a saúde precisa desse dinheiro. Porra, o governo nunca arrecadou tanto. A cada novo mês, os tributos quebram recordes. Precisa de mais um imposto para tirar grana do nosso bolso ou só precisa saber gastar essa imensa fortuna, a mesma que todos nós pagamos todos os meses para termos coisas que não temos?

Mas a questão é essa: o objetivo não sou eu, não é você, não é a sua família. É a aparência de que eles se preocupam, apenas isso. Se for preciso ir por um lado completamente oposto para continuarem trabalhando três dias por semana e gastando cartões de crédito do governo, eles farão. Sem remorso, sem receio e sem a mínima vergonha. Por que o que interessa não é o resultado, mas o que o povo pensa ser o resultado. Aparência. É fazer um projetinho aí e espiar. Se estivermos olhando, o objetivo já foi alcançado.

Aquele meu colega se daria muito bem na política.

1 Comments:

Anonymous camila said...

Bom júnior..
Adorei o texto, tu sabe que é bem meu estilo né hahah
O que nós fazemos para mudar isso?
Esse ano eles estarão nas nossas mãos como sempre e espero que só os bons subam ao poder. Beijoos

6:30 AM  

Post a Comment

<< Home