Viagem Literária

Apenas uma maneira de despejar em algum lugar todas aquelas palavras que teimam em continuar saindo de mim diariamente.

Name:
Location: Porto Alegre, RS, Brazil

Um gaúcho pacato, bem-humorado e que curte escrever algumas bobagens e algumas coisas sérias de vez em quando. Devorador voraz de livros e cinéfilo assumido. O resto não interessa, ao menos por enquanto.

Friday, October 16, 2009

BASTARDOS INGLÓRIOS


Quentin Tarantino é foda. Eu já escrevi isso, outras pessoas já escreveram isso e todo mundo que já assistiu a um filme do cara já pensou isso. Tarantino é foda. Ponto. O cara consegue fazer um cinema que ninguém mais consegue fazer. Discorda? Então vá assistir Bastardos Inglórios e me diga se algum outro cineasta seria capaz de realizar um filme desses. Não é o melhor do ano e não é nem o melhor dele, mas é único. Bastardos Inglórios não é um filme de guerra. É um filme de Tarantino situado durante a guerra. Faz toda a diferença. Todas as características que tornam o seu cinema tão peculiar estão presentes nas duas horas e meia de projeção: a cuidadosa construção de cada cena, as brincadeiras com o tempo, os longos e deliciosos diálogos, o humor negro e, claro a violência exagerada e absurda. Como é de praxe, Tarantino divide seu filme em capítulos, cada um quase um curta-metragem, que se unem e se confundem para formar um todo fantástico. Cada capítulo é formado por cenas desenvolvidas sem a menor pressa, nas quais os personagens conversam e conversam estabelecendo a situação, criando a tensão e preparando o clímax sempre explosivo. E a inteligência das falas chamam a atenção: a pressão psicológica de Landa no fazendeiro, por exemplo, logo no capítulo inicial, é fantástica. Os personagens de Tarantino jamais dizem logo o que querem dizer; é necessário que usem de metáforas e digressões. Mesmo que isso torne o filme mais longo, a habilidade de Tarantino com as palavras e na construção da mise en scène faz com que a obra jamais fique cansativa. As palavras, auxiliadas pelos olhares e pelos silêncios, servem para gerar tensão. O cineasta brinca com o tempo, não de forma cronológica, como é normal em seu cinema, mas alongando a expectativa. A pressa não tem lugar em Bastardos Inglórios. O filme não entra no ritmo do que o público espera, mas faz o inverso: é a plateia quem deve se adequar à velocidade da obra. Somente após a verborragia é que ocorre a ação, e esta, quando vem, vem exatamente com o que se espera de Tarantino: com sangue, mas sem repulsa. A violência de Tarantino não choca, pois ela parece pertencer em um mundo à parte: o mundo do cinema. É gráfica, é sangrenta, mas não é real. Não chega a ser cartunesca como em Kill Bill, mas acompanhar os bastardos escalpelando nazistas gera apenas risadas, não repúdio. Além do comando do cineasta na condução da história, Bastardos Inglórios ainda exibe todo o seu virtuosismo técnico, com movimentos de câmera que vão desde o elegante (a festa no salão do cinema de Shosanna) até as claras homenagens de gênero (como na apresentação dos Bastardos). Aliás, este talvez seja o filme de Tarantino que mais homenageie o próprio cinema. São dezenas – talvez centenas – de referências, desde as mais óbvias às sutis. De quebra, Tarantino utiliza o próprio filme, a película, como arma no final. O cinema como ferramenta de libertação do mundo – quer declaração maior de amor à Sétima Arte do que essa? Impossível não comentar também a incrível atuação de Christoph Waltz no papel do coronel Hans Landa: charmoso, sedutor, divertido, ameaçador e perigoso ao mesmo tempo, Waltz faz talvez o melhor vilão do ano e o antagonista perfeito para os Bastardos liderados por Brad Pitt. Este, aliás, comprova mais uma vez que, quando deixa de lado a pose de galã, é um ótimo ator. Puxando seu personagem para o lado cômico, com sotaque exagerado e caretas caricatas, Pitt é responsável pelos momentos mais engraçados do filme, com destaque para a cena na qual se passa por um italiano (seu arrivederci é nada menos que fabuloso). Bastardos Inglórios tem os seus problemas aqui e ali, a maioria deles decorrente do ego gigante de Tarantino, que tem a mais absoluta convicção de que tudo o que faz é genial. Assim, algumas de suas digressões narrativas são desnecessárias e ele se repete em certas cenas, momentos que certamente seriam cortados da versão final caso se tratasse de outro diretor. Além disso, o roteiro parece não se preocupar em apresentar o destino de todos os Bastardos, deixando dúvidas na cabeça da plateia. Tudo isso, porém é muito pouco perto da grande obra cinematográfica que é Bastardos Inglórios. Tudo bem que o estilo de Tarantino não vai mais mudar o cinema como fez com Cães de Aluguel e Pulp Fiction. Mas ele continua um puta roteirista e diretor, capaz de subverter expectativas e construir momentos de puro cinema. Bastardos Inglórios é divertido, original e inteligente. Um filme claramente feito por um cinéfilo para outros cinéfilos. Se alguém de fora desse grupo gostar, é apenas lucro.

Nota: 8.5

1 Comments:

Blogger Nêga, Preta ou Pree said...

amei...
arrivederci pra ti tb...hahahaha

beijos vamos ver Paris?!!

1:46 PM  

Post a Comment

<< Home