Viagem Literária

Apenas uma maneira de despejar em algum lugar todas aquelas palavras que teimam em continuar saindo de mim diariamente.

Name:
Location: Porto Alegre, RS, Brazil

Um gaúcho pacato, bem-humorado e que curte escrever algumas bobagens e algumas coisas sérias de vez em quando. Devorador voraz de livros e cinéfilo assumido. O resto não interessa, ao menos por enquanto.

Wednesday, August 10, 2005

Rock n` Road


Três semanas. Em apenas vinte e um dias, um escritor até então fracassado transformou a sua vida e a de milhares de outras pessoas de sua época. Claro que todas as idéias e palavras que foram parar no papel durante este escasso período de tempo, e que viriam a formar o cultuado, reverenciado e consagrado livro On the Road, já estavam fervilhando há tempos na mente do autor Jack Kerouac, apenas esperando uma oportunidade para encontrarem a liberdade.

Liberdade mesmo, na verdadeira acepção da palavra. On the Road, publicado em 1957, tornou-se o libelo de uma geração, a fagulha que deu início a uma explosão cultural e comportamental em todo Estados Unidos da América, e até no mundo, germinando o movimento hippie e influenciando incontáveis números de artistas nas décadas seguintes. Tudo isso por causa daquelas três semanas.
Mas, você deve estar se perguntando, o que uma resenha de um livro está fazendo em uma revista sobre rock`n`roll? Ainda por cima, um livro que não é biografia de cantor, não conta a trajetória de uma banda e, à primeira vista, nada tem a ver com o mundo do rock? Pois bem, olhe uma segunda vez.

On the Road é, provavelmente, o livro mais rock`n`roll já escrito em toda a história da humanidade, mesmo sem conter uma única menção ao gênero. O relato das viagens ensandecidas de Sal Paradise e Dean Moriarty pelas estradas norte-americanas, conhecendo pessoas, experimentando drogas, visitando cidades, dando e pegando carona, apenas para citar algumas de suas experiências, contém a verdadeira essência do rock.
É interessante analisar este paradoxo. Os personagens do livro, que viriam a ser conhecidos como beats, são apaixonados por música, capazes de entrar em um estado de catarse diante de um bom som e considerarem músicos verdadeiros deuses. Entretanto, essa paixão é pelo jazz, e não pelo rock, até porque os acordes de Buddy Holly, Chuck Berry, Elvis Presley e sua turma ainda não haviam conquistado a América.
Porém, o espírito do rock está contido em cada frase de On the Road. Sal e Dean, junto aos seus ocasionais parceiros e parceiras, são pessoas que fogem completamente dos padrões e normas da sociedade. Certamente, aos olhos da maioria, seriam chamados de rebeldes, desordeiros e outros adjetivos desta natureza. Por outro lado, consideram a si mesmos como conhecedores do verdadeiro significado da vida e não compreendem aquelas pessoas que se amarram a rotinas e que se sujeitam às regras impostas pela civilização. Em outras palavras, não entendem como alguém troca o viver pelo apenas existir.

O rock, como todo bom roqueiro sabe, é muito mais do que música. Para definir em apenas uma palavra, é atitude. E atitude é o que não falta a Sal e Dean. Para os personagens de Kerouac, aquilo que a maioria das pessoas considera como liberdade não passa de ilusão. A real sensação de ser livre ocorre apenas quando se joga todas as preocupações para o alto e faz-se aquilo que se gosta e tem vontade. Quando se nada na maré contrária à da vida repetitiva e enfadonha de nosso mundo, encontrando seu próprio caminho. Está começando a compreender porquê On the Road é o livro mais rock`n`roll já escrito?

Jack Kerouac provocou uma completa revolução. Seu livro influenciou milhões de pessoas em todo o mundo, incluindo nomes como Bob Dylan e Jim Morrison. Dylan, aliás, foi um dos muitos que, após ler a obra, colocou uma mochila nas costas e partiu para a estrada, em uma atitude que certamente contribuiu muito para sua formação como compositor, músico e, claro, ser humano.
Tudo começou com On the Road. A nós, só resta imitar as palavras do tradutor Eduardo Bueno, no encerramento da recente edição da L&PM, e agradecer a Jack por tudo o que ele fez.
P.S.: Parece que, finalmente, On the Road vai ganhar uma versão cinematográfica. Produzida por Francis Ford Coppola, a direção vai ficar a cargo de ninguém menos que o brasileiro Walter Salles. Uma ótima escolha, considerando o excelente resultado de Diários de Motocicleta, uma filme que tem muito a ver com a obra de Kerouac.

4 Comments:

Anonymous Gabriel Silveira said...

Já li isso.

6:58 AM  
Blogger Pree said...

E me atacam e me atacam...tô pasma...isso nunca acaba!

11:20 AM  
Anonymous Tuca said...

hello!!!!! ate q enfim algo concreto hein! tava faltando um espaço para os teus devaneios bons de ler!
bjao

12:31 PM  
Anonymous Anonymous said...

Vamos atualizar?! Heim!

Bjus

Pree

2:34 PM  

Post a Comment

<< Home